Slide


Olá pessoal, tudo bom? Estamos abrindo a coluna de "Entrevista do mês" com chave de ouro porque conseguimos entrevistar a autora Érika Gomes, ela tem várias livros e contos escritos e vai nos contar um pouco sobre eles, o mais famoso deles se chama "Tenebris o fim é apenas o começo" é o primeiro livro da trilogia Tenebris. Quero agradecer a participação do meu amigo e jornalista João José Alencar que me ajudou na produção das perguntas, além de me orientar sempre que preciso.
1 – Você é uma autora contemporânea e os seus livros abordam o sobrenatural e a fantasia, quais as dificuldades que você percebe para entrar no mercado editorial e conseguir novos leitores?
R: Muitas, mas com certeza, algumas se sobressai. Infelizmente o mercado literário nacional é injusto e maçante, ao mesmo tempo em que encontramos leitores fiéis e parceiros fantásticos, acabamos nos deparando com algumas situações ruins, pois acreditam cegamente que o autor nacional precisa distribuir sua obra gratuitamente, quando infelizmente não temos respaldo algum das editoras para agir dessa forma. Então, fechamos um contrato por R$ 5.000,00 ((isso claro o contrato mais barato)), recebemos 50 exemplares “gratuitos”, acabamos em uma situação complicada, onde temos parceiros fieis que gostaríamos de presentear, mas temos que correr atrás do prejuízo, pois a maioria das editoras, trabalham como gráficas somente e não disponibilizam as obras para as livrarias e ainda que isso aconteça o retorno financeiro é mínimo. Isso é terrível, pois por mais que tentemos achar uma saída, sempre alguém acaba magoado e o ser humano tem a terrível mania de difamar o outro, quando sente-se agredido de alguma forma. Acabamos de que forma? Um arrombo na conta corrente, parceiros insatisfeitos, suas obras jogadas na gaveta de alguma editora e você sem saber como agir ou o que fazer.

2 – A Trilogia Tenebris está em seu segundo volume e caminhando para o terceiro. De um livro para o outro, o que o seu público pode esperar de diferente ou mais potente na sua história?
R: Eu mudei, amadureci como autora e com certeza isso refletiu em minha escrita. Confesso que se pudesse, escreveria o primeiro livro novamente, pois releio e encontro tantos buracos e falhas, tantas coisas que poderiam ter sido mais trabalhadas, quem sabe ainda não faça isso um dia. Mas o segundo livro da trilogia está muito mais “ativo”, a escrita bem mais detalhada e o cenário ganhou vida, saltou aos olhos, amo Herdeira. No terceiro livro, estou trabalhando para que o desfecho dessa trama incrível, seja simplesmente fenomenal. Os personagens cresceram com a autora, estão mais cheio de vidas e desejos, lutando por seus ideias, ainda que alguns desses ideais, estejam corrompidos. As cenas das lutas, são mais intensas, os amores mais ardentes e as partes em que Deus vem ao encontro de alguns deles, está tocante. Acabo chorando em quase todas elas.

3 – Você retrata um Lúcifer que sente falta do divino e escolhe viver como humano, como você compreende o bem e o mal e a mensagem que pretende deixar na sua obra? 
R: Sim e não somos todos nós uma luta eterna do bem e do mal? Travamos essa batalha desde que Caim matou Abel, assim que o sangue do primeiro assassinato da história tocou o chão, nasceu na raça humana a constante luta em fazer o certo ou se deixar levar pelo errado. Heylel, aqui nada mais é do que a representação de cada um de nós, muitos me criticam por ter “humanizado” o inferno e seus demônios, mas o que somos diferente deles? Matamos, roubamos, denegrimos e o pior, fazemos tudo isso tendo o livre arbítrio, eles não, segundo a bíblia, foram criados somente para: matar, roubar e destruir. Mas no final dos nossos atos horrendos, buscamos sempre um sagrado para nos redimir, não importa se no cristianismo, espiritismo, na umbanda, wicca, catolicismo ou qualquer que seja sua crença, sempre acabamos de joelhos, buscando a redenção de nossos erros e acreditando cegamente que somos merecedores desse perdão. Então porque o diabo, sendo ele um anjo de luz, aquele que anunciava um novo dia, que conheceu o criador face a face não pode sentir falta e querer também voltar para o colo do Pai?

4 – Você é mãe, casada e trabalha com transporte escolar, como consegue conciliar sua vida do dia a dia e a vida de escritora?
Sou louca, é a única explicação que encontro...rs
Esse ano minha mãe ficou muito doente, então parei com o transporte, para ficar em casa, mas ainda assim é loucura, as vezes estou na sala e o pequeno está brincando aos berros com os carrinhos e bonecos no tapete da sala, o do meio está vendo televisão e eu estou sentada com o note no colo escrevendo e graças ao céus, sou totalmente levada para outro mundo, então tudo ao meu redor desaparece. Quando o barulho rompe a minha bolha pessoal e fica impossível ouvir meus pensamentos, vou para o quarto, mas o marido teve a brilhando ideia de comprar uma cama gigante, então os três filhos correm e ficam todos na mesma cama, um com a televisão ligada, o outro com vídeos no youtube de um jogo louco, onde o povo que joga grita mais do que mulher em filme de terror e a mais velha, geralmente é a que mais entende e respeita meu espaço, fica deitada do meu lado, soltando algumas partes de uma possível conversa..rs
Enfim, vivo em um hospício que eu amo brutalmente e como Deus é sabedor de todas as coisas, me deu de presente a capacidade de me desligar do mundo..rs.

5 – Você tem uma conta no INSTAGRAM e trabalha em parceria com algumas páginas, o que essa inserção no mundo digital significou para o seu trabalho?Uma história confusa.
R: Tudo. Não sou nada sem meus parceiros e não teria conseguido nada sem as redes sociais. Estou 24 horas conectada, a disposição para tudo o que qualquer um deles precisar, pois fazem isso por mim também. Claro que nem todos, tenho dois grupos de parceiro, totalizando 50 igs e blogs, sei que tenho somente 15 ativos e constantes, mas são os 15 melhores, disso tenho certeza. São tão loucos quanto eu, topam tudo, ajudam o tempo todo, o mínimo que posso fazer é estar para eles, da mesma forma que estão para mim.



6 – Quais são as suas referências literárias e o que elas acrescentaram a sua escrita?
R: Bem, não tomo como referências ou busco inspirações em outras obras, mas é claro que sou uma devoradora de livros e tenho meus “xodós”. Dentro dos nacionais tenho uma pequena lista: Pepper, Jhey Lee, Saymon Cesar, Judie Castilho, Grazi Fontes, Katherine Laccomt, Rossana Cantarelli, Juliana Bizatto, Thais Caldeira, entre outros. Agora os estrangeiros: Stephenie Meyer, Cassandra Clare, Sarah J. Mass, P. C. Cast e Kristin Cast, Juliet Marillier, E. L. James… acho que é isso!

7 – Como você reage as críticas ao seu trabalho e de que forma influenciaram na continuação de Tenebris?
RAh céus, criticas...rs!
Bem, quando é algo dito de coração, escuto, vejo onde estou errando e tento melhorar. Mas quando é algo dito pelos “críticos literários” de plantão, fico muito magoada e geralmente acaba em choro..rs!Essas pessoas são maldosas demais e esquecem que por trás da obra, existe um ser humano. Fico impressionada como todos são corajosos atrás da tela do celular ou computador, então falam mal e destrói a reputação e imagem do outro, sem nem ao menos ficarem vermelhos. Isso é terrível.


8 – Os seus leitores já te influenciaram para mudar o rumo de um determinado personagem? De que forma?
R: Não, mas não foi por falta de tentativas.Meus personagens tem vida própria e por mais que eu queira dar a eles um destino, eles sempre acabam indo para onde acham que devem estar e assim, sempre acabam alegrando alguns e decepcionando outros.

9 – Você também vem escrevendo romances eróticos, qual a sua opinião sobre livros como cinquenta tons de cinza e toda sua? Em q sua obra se assemelha e se diferencia desses livros?
R: Amo um erótico bem escrito. E que me perdoem, mas sou alucinada no Grey. A ideia do Hot surgiu enquanto escrevia Herdeira, estava travada e sofrendo demais com isso, comecei a escrever um conto, somente para mudar o foco, seria algo rápido de no máximo 20 páginas de pura putaria, me empolguei e nasceu Cris e Nando, meu casal delicinha. A Duologia Virtual, apresenta uma trama envolvente, além de boas fodas entre os personagens, tem um porque para tudo e aquele mistério que te prende e te deixa louco para saber o final.As pessoas estão tão acostumadas a nadarem com a maré que acabam virando um monte de robôs dizendo a mesma coisa e tudo passou a ser o tão famoso “clichê”. Se for colocar o erótico dentro do clichê, todos os outros gêneros também se enquadrariam.O que é a fantasia, se não um mundo criado com seres inexistentes, onde travam lutas épicas em mundos sobrenaturais e os romances, casais que não podem ficar juntos ou são incompatíveis em alguma camada de sua vida social, mas que superam as dificuldades e se apaixonam no final... No fundo é tudo o a mesma coisa, mudando somente o cenário e a forma de ser apresentada ao leitor. No erótico não é diferente, são casais que fodem bem pra caramba e arranca dos leitores os melhores gemidos e espremidas de pernas, enquanto estão lendo.

10 – Tem algum gênero literário que pretende se aventurar? Qual e por quê?
Não sei.Por enquanto quero ficar na minha zona de conforto, passeando entre fantasia, erótico e romance, quem sabe um dia me aventuro no terror, mas é algo para um futuro distante.

11 – Conte sobre o seu projeto de estimular fanfics de Tenebris? Como surgiu a ideia e quais são os seus objetivos? 
R: Como disse lá em cima, tenho parceiros ótimos e entre eles, está a Alice do ig @gnomaleitora, somos muito parecidas e tenho certeza que essa menina foi minha filha em alguma outra encarnação por ai. Conversamos bastante o tempo todo e ela tem ideias que se encaixam bem com as minhas e em uma dessas conversas a possibilidade de ler outros finais nos pareceu interessante. Acredito que isso seja o desejo de quase todos os leitores, quem não lê um livro e fica pensando: Poxa, eu faria diferente? Quase todo mundo faz isso, então porque não colocar essa vontade para fora e ao invés de matar a autora por não ter dado o final que esperava ou por não ter juntado aquele casal que shipava? A fanfic é uma boa saída, e a ideia de ler Tenebris escrita por outras pessoas me parece interessante.

12 – Para encerrar, cite três motivos para que os leitores do blog leiam o seu livro e diga de que forma eles podem encontrar a sua obra?
Direi apenas um e acredito que seja o suficiente para despertar a curiosidade de muitos.
- Lembre-se: Até o diabo pode surpreender
Contatos com a autora:

Livros: Ebook| Físico

Por hoje é só pessoal! Espero que tenham gostado. Se tiverem alguma pergunta podem deixar nos comentários.
Beijos e Abraços❤
Compartilhe com os amigos

Comente pelo Facebook!

13 Comentários

  1. Que entrevista maravilhosa, amei as perguntas e as respostas foram incríveis também. Legal que o tom da entrevista lembra a narrativa ágil dos livros e dá muita saudade das histórias. Ainda não me aventurei a ler os hots, mas estão na tbr. Beijos Elisabete Clube do Farol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gostei muito da entrevista e principalmente das respostas da Érika.

      Excluir
  2. Vivi, obrigada pelo carinho e parceria incrível. Foi uma das entrevistas mais "gostosa" de responder. Adorei ❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Érika! Amei as suas respostas❤️❤️❤️

      Excluir
  3. Não conhecia a autora, nem seu livros, mas gostei da entrevista. Achei bem interessante ela valor sobre a questão da relação autor x editora e autor x parceiros. Valeu pena dica vou procurar saber um pouquinho mais sobre o trabalho dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o meu objetivo com esse projeto de entrevistas apresentar para vocês os autores nacionais e também suas obras, fico feliz que tenha ficado interessada nas obras da Érika.

      Excluir
  4. Oi, Vivi.
    Menina que mulher é essa Érika? Com certeza uma mulher maravilha.
    Mãe, trabalha fora e ainda escreve, isso sim é de tirar o chapéu.
    Realmente o mercado literário nacional é desgastante, mas que bom que aos poucos isso está mudando.
    Muito sucesso a autora.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Camila, para sobreviver nesse mundo precisa ser uma super heroína!
      Infelizmente o Brasil não têm valorizado os autores nacionais, assim como a Érika muitos outros autores têm se desgastado nesse mundo literário.

      Excluir
  5. AAAAAAAAAA QUE MULHER INCRÍVEL ELA SABE FALAR E PELO JEITO ESCREVE MUITO BEM TEM UMA IDÉIA DIFERENTE DE MUNDO E É VERDADEIRA COMO AINDA NÃO TINHA CONHECIDO ESSA MARAVILHA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmmm, muito incrível!
      Fico feliz que tenha gostado de conhecer a autora e espero que dê uma chance para as obras dela.

      Excluir
  6. Adoro esses tipos de post como entrevistas ate ja dei algumas entrevistas! E muito bom pois assim vc conhece outras pessoas!
    Adorei essa entrevista e acho muito massa vc trazer novos autores!!!

    Blog lindoooo!

    ResponderExcluir
  7. Arrasou na entrevista fiquei bem curiosa para conhecer melhor essa autora por que ainda não conhecia ela e quando se trata de terror eu amo.

    ResponderExcluir
  8. Oi Vivi!
    Gostei muito da sua entrevista, ela teve algumas perguntas muito interessantes e que gostamos de saber dos autores, mas nem sempre perguntamos. Um exemplo é sobre críticas. É interessante saber a opinião da pessoa, muitas vezes os autores tem reações diferentes para críticas, assim como cada crítica é única.
    Espero que tenha logo outras entrevistas como essa!

    Beijos

    Raquel, Blog Conta-se um Livro

    ResponderExcluir